Ok, vou ser bem sincera: que diabos o povo vê na Mona Lisa?!?!?!?!

E fazem pesquisas sobre quem seria a tal Gioconda disso, e estudam o “sorriso enigmático” acolá, e descobrem cada coisa em cima da pintura que fico intrigada… com a criatividade das mentes conspiratórias dos pesquisadores!

Tá, é histórica, foi feita pelo Leonardo da Vinci e blá-blá-blá… mas o que ela tem de tão especial? É só uma mulher (dizem as más-línguas que seria um retrato do próprio Léo, hummmm…) com os braços cruzados olhando com cara de desdém pra gente.

Sou historiadora por natureza e acho fascinante descobrir e entender a história por trás de tal objeto. Mas isso pra mim já é apelação. Quantas pinturas – clássicas ou contemporâneas – que são milhões de vezes ‘melhor’ (do ponto de vista da pessoa que admira tal obra, não com base na comparação) ou com muito mais significado no mundo afora que ninguém pesquisa por estarem ‘procurando novos fatos’ sobre a maldita Mona Lisa?

E sim, cada um tem um gosto e não estou dizendo para todos odiarem o quadro, é apenas uma observação pessoal e questionamento sobre os clássicos: eles são maravilhas da humanidade mesmo ou apenas algo que todos aceitam sem julgar???

E para escandalizar de vez: gosto muito do lado científico das obras do Leonardo da Vinci e seus quadros são quase como fotografias de tão realistas, mas as pinturas não me emocionam como um Salvador Dáli, M.C.Escher ou Edward Hopper. Talvez porque ele possuísse uma mente tão científica e perfeccionista que no final faltasse espaço para expressar os sentimentos das obras.

E assim termina mais uma sessão de “revolta com os clássicos”.
Até a próxima e se dirigir, não beba.