Clique na imagem acima para comprar esse pôsters (click on the image above to buy this poster).

Hoje mostrarei alguns dos meu clipes favoritos que envolvam Artes visuais. A lista é muito grande, então dividi em 2 posts.

Charles Aznavour – La Bohème – Legendado):  O hino dos artistas boêmios! Quem ouve isso lembra imediatamente um artista bigodudo com um longo avental sujo de tinta, pé-rapado com apenas uns trocados no bolso e enchendo a cara de absinto. A melodia é linda mas, francamente, nós artistas precisamos mudar essa mentalidade de que “arte e dinheiro não combinam“.


Paulo Sérgio – La Bohême (versão Brasileira): Uma bela homenagem do clássico francês na voz desse cantor esquecido da MPB. Ouso dizer que prefiro essa versão do que a francesa.


R.E.M – Losing my Religion: Esse clipe é o meu xodó! Já contei em outro post porque essa música significa tanto para mim, mas aqui irei descrever apenas a parte estética que o diretor Tarsem usou. Parece uma pintura em movimento. É como se estivéssemos dentro das pinturas clássicas – fora a fotografia que é belíssima.


Legião Urbana – Acrilic on Canvas: Admito que essa melodia me irrita. Gosto pessoal mesmo, acho que falta uma magia, sei lá. Não sinto que combine com a letra, essa sim é uma verdadeira poesia, mostrando o talento do Renato Russo com as palavras.


David Bowie – Look Back in Anger: O camaleão fazendo sua versão do Retrato de Dorian Gray. Ok, os ‘defeitos especiais’ são precários mas o que vale é a intenção ;).
E sempre que ouço essa música lembro da cena de perseguição no shopping do filme “Eu, Christiane F. – 13 anos, drogada e prostituída…” . , apesar de tocar o Heroes.


Gotye – Somebody That I Used To Know (feat. Kimbra): Não precisa de explicações, afinal essa música ficou famosíssima. muitos parodiaram esse clipe, mas convenhamos, a idéia é legal. Imagino o tempo que eles esperaram serem pintados e passando frio.


Hold Your Horses ! – 70 Million: Esse clipe é très fantastique! Essa banda francesa e a equipe do vídeo mostram que os quadros clássicos não são artes estáticas no Museu, mas algo vivo, que faz parte de nossas vidas diárias.