Continuando nessa jornada de “Porque diabos isso existe?” vi que teria que separar os sapatos em um único post, já que é um fetiche sem sentido que as mulheres AMAM de paixão (não me perguntem o porquê. Para mim, sapatos só servem para serem confortáveis, bonitos e te levar a qualquer lugar).
Tenho 3 tipos de calçados: Tênis Olympikus (gigantes pela própria natureza… mas confortáveis que só vendo), algumas sapatilhas, sandálias chinelos – não de dedos, que O-D-E-I-O com todas as forças.
 Bom, aqui vai uma lista dos modelos que não me entram na cabeça – ou melhor, nos pés.

1# – PEEP TOE ANKLE BOOT (ou qualquer sapato Peep Toe) 

Já acho estranho sapatos com os dedinhos de fora. Sou do tempo em que “dedos de fora = chinelos”.  Eles espremem tudo, fazendo escorregar os dedos para frente causando um tremendo desconforto. Fora o trabalho que dá limpar a sujeira dos dedos e unhas depois de andar o dia todo (super sexy hein?).
Mas esse modelo de bota com os dedos de fora pra mim beira ao ridículo! Será que a pessoa esqueceu como desfazer o nó do cadarço e achou mais fácil cortar com as facas Ginsu?


2# SANDÁLIAS COM TORNOZELO

Um dia um estilista fracassado, idiota e num porre tremendo pensou : “Hmmm, como seria misturar butina com chinelos Havaianas?”. O Resultado foi isso!
Ótimo em caso de pés enfaixados (ou pintar o gesso da cor dos chinelos serve também) ou para não perder durante a enchente.


3# QUALQUER TIPO DE SALTO ALTO

Aparentemente na moda, o Calcanhar deve aguentar sem reclamações e apodrecer com os saltos, contanto que esteja coberto (diferente dos pobres dedos que tem que aguentar sol, chuva, sujeira e outras ecas incovenientes).  Adoro ver a mulherada se equilibrando neles enquanto tentam descer a ladeira Porto Geral. Elas estão A-R-R-A-S-A-N-D-O …com os tornozelos, a espinha, a batata da perna, etc. Isso quando elas não comentam, “nossa, esse salto é tão confortável (!)”.

QUÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ ?!?!?!?!?!?!?!?
É o mesmo que dizer que a a Dama de Ferro é um novo sistema de Acupuntura!!!

Eita mulherada louca e programada pra achar que “tudo tem um lado bom“. A postura pode até melhorar, mas todo mundo sabe que na real, é a atitude que conta. Estando bem consigo mesma e até descalça você “sobe no salto”.


4# CHINELOS HAVAIANAS

Ok, acho legal a história das Havaianas, como elas voltaram a fazer sucesso e tal, mas pô, falar que é um item indispensável são outros 500. No meu tempo de moça, elas serviam só para lavar garagem ou ir para praia (nunca curti porque me irrita ficar aquelas tiras no meio dos dedos). E tem gringo que paga até 500 pilas (!!!) para ter um par.

Moda e seus absurdos, vai entender…

 

5# GALOCHAS 



Lembro que, quando era criança, usava um par gigante da mamãe na garagem da minha casa – e que um dia usei e tinha uma barata dentro, bleargh!!!
Bom, tirando o trauma infantil, acho lindo esse novos modelos coloridos e desenhadinhos, mas vai para mesma categoria das Havaianas. É para lavar quintal e em dias de chuva. Só porque ficou na moda pronto: subiu os preços, virou item must have, e blá blá blá.
É algo prático? Sim. Útil no dia-a-dia? Ô!. Mas não nem fudendo pago $150 por um mísero par de galochas. Quando tiver preços mais convidativos penso no caso delas.


#6 – PALMILHAS ESTAMPADAS

Esse é do momento “WTF?!?!?!”. Pelo que eu me lembre nas aulas de anatomia, pele humana não é transparente (nem a de burro). Então porque diabos fazer o interior do sapato com desenho, frusfrus e o escambau? Vai mostrar como? Pendurando um par de molecas nº38 no retrovisor do carro?!?

 

7# QUALQUER TIPO DE CROC


Peguei essa fotos daqui ó.

O que qué isso Deuses do Céu? Parece o sapato do Cebolinha! Isso é uma coisa horrível, medonha, nojenta, bizarra, asquerosa !! Até Tim Gunn assumiu que odeia esse troço!!!
ARRRRGGGGGGGGGGGGHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!

Isso não é motivo só de vergonha, é sinal pra fazer um Exorcismo urgente no infeliz que usa isso – mentira, nem o Capeta usaria essa merda!
Procurando fotos desse bagulho encontrei esse post hilário no blog A Taverna do Moe e concordo com tudo (inclusive com o negócio da MPB). Vale a lida.